Faça este curso, porque você precisa aprovar em seu próximo exame, concurso ou vestibular.

As razões do pessimismo do comércio varejista

Em vista do impacto dos reajustes de preços administrados sobre a inflação e a perspectiva de estagnação da atividade econômica neste ano, a Confederação Nacional do Comércio (CNC) reviu para baixo suas projeções para o crescimento das vendas do comércio varejista, de 2,95% para 2,47%. Se confirmado, será o pior resultado desde há doze anos, quando as vendas caíram 3,7%.

A Ata do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, divulgada na semana passada, estimou em 8% o reajuste da gasolina e em 27,6% o da energia elétrica, com um aumento médio de 9,3% nas tarifas e preços controlados pelo governo. No Distrito Federal e em diversos Estados, as contas de água já subiram ou vão subir nos próximos meses.

Como noticiou o Estado (1.º/2), em diversas cidades as empresas de saneamento e agências reguladoras avaliam as contas de energia para calcular as tarifas de água. Em São Paulo, a Sabesp reajustou a conta em 6,49% em novembro, mas pode pedir revisão tarifária para desestimular o consumo.

O orçamento do consumidor é pressionado por estes e outros gastos, como transporte público e impostos, entre os quais o IPVA e o IPTU. Com a renda comprometida com esses itens, é menor a disponibilidade de dinheiro para a compra de bens não essenciais. Isso reduz o mercado para bens duráveis.

"Ao longo dos anos", diz o economista Fábio Bentes, responsável pelo estudo da CNC, "os picos de vendas do varejo coincidem com períodos de inflação baixa nos bens e serviços com preços administrados." Cinco anos atrás, por exemplo, os preços administrados tiveram reajuste médio de 3,1% e as vendas do comércio varejista cresceram 10,9%.

A situação agora é totalmente inversa, como comprova o Índice de Consumo das Famílias (ICF) da Fecomercio-SP, que registrou queda de 12,9% em janeiro em relação ao mesmo mês do ano passado, ficando em 108,6 pontos. Todos os sete itens que compõem a pesquisa acusaram os piores resultados para o mês de janeiro desde o início da série histórica há cinco anos. Esses números sinalizam menor consumo nos próximos meses.

O temor do desemprego igualmente leva à contenção das despesas e reforça as previsões pessimistas para o ano, tanto para o comércio como para os agentes econômicos em geral. Na melhor das hipóteses, espera-se uma melhoria apenas no segundo semestre.


FIM

(http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,as-razoes-do-pessimismo-do-comercio-varejista-imp-,1630959, com modificações nossas para fins didáticos)



redação sobre comércio varejista, inflação, estagnação da atividade econômica, redação dissertativa sobre vendas do comércio, política monetária, Copom, tarifas de água, consumo de água, redação pronta sobre orçamento do consumidor, dinheiro, bens não essenciais, bens duráveis, redação dissertativa pronta sobre vendas do varejo, mercado de bens e serviços, preços administrados, redação sobre consumo das famílias, Fecomercio, desemprego, consumo no Brasil, redação dissertativa sobre contenção das despesas, agentes econômicos