Faça este curso, porque você precisa aprovar em seu próximo exame, concurso ou vestibular.

O terrorismo e os inocentes

A palavra terrorismo etimologicamente deriva do grego terrere, tremer, e deterrere, amedrontar. É difícil definir terrorismo. A primeira tentativa, em termos internacionais, foi a Convenção para a Prevenção e Punição do Terrorismo, em 1937, ainda sob a égide da Liga das Nações, antecessora da ONU, mas que nunca entrou em vigor. Essa convenção definia terrorismo como “ato criminoso dirigido contra um Estado com a intenção de criar um ambiente de terror nas mentes das pessoas, grupos de pessoas e do público em geral”. É um conceito impreciso, já que define a ação terrorista, e não o terrorismo em si.

Mas seja a ação terrorista ou o terrorismo em si, ele só ocorre quando há forças assimétricas em choque em uma sociedade. Raymond Aron assinalava que a ação terrorista se caracterizava por ser amoral, imprevisível e psicológica. Amoral, por não levar em consideração os apelos de ordem moral; imprevisível porque, mesmo que se saiba que vai acontecer, não se sabe quando, nem onde; e psicológica porque seus efeitos são maiores do que a ordem do real. Objetivamente, no atentado em Paris, morreram 17 pessoas, mas os efeitos psicológicos paralisaram toda a França.

O terrorismo pode ser praticado por entes estatais – por exemplo, em uma ditadura – ou por grupos. As motivações podem ser ideológicas, nacionalistas e, mais recentemente, religiosas. Os diversos tratados e convenções internacionais que querem coibir a prática da ação terrorista têm, de certa forma, sucesso menor que o esperado, pois o terrorismo é, em si mesmo, ambivalente, já que é meio, e não fim. Como não se pode bater de frente com alguém mais forte, procura-se enfraquecê-lo, atacando a sociedade deste mais forte; esse raciocínio vale tanto para uma ditadura (por isso é uma ditadura) como para grupos. Se para um lado é terrorista, para o outro é mártir.

A expressão “guerra ao terror”, tantas vezes divulgada, contém vários equívocos. Uma guerra tem de ser declarada pelo Poder Legislativo e só se declara guerra a um Estado. Em caso de guerra, são aplicadas as leis de guerra, isto é, as convenções de Haia, de Genebra e de Nova York, específicas sobre o assunto. Quando se trata de grupos, apenas o Protocolo II das Convenções de Genebra (que trata sobre a guerra civil) explicita que, quando capturados, os revoltosos estão sujeitos às leis internacionais, como tratamento de prisioneiro de guerra, direito a cerco etc. Mas o terrorista não se enquadra aqui.

Como não é possível acabar com o terrorismo, toma-se ações para minorar os seus efeitos. Adota-se, por exemplo, medidas para prevenir, combater e erradicar o financiamento do terrorismo; combater a lavagem de dinheiro; vigilância de fronteiras; criação de grupos especializados no combate ao terrorismo; translado de pessoas sob custódia, como aconteceu com o francês acusado de terrorismo na França, mas capturado em um dos países do leste europeu após o atentado em Paris.

Mas o efeito mais visível da ação terrorista ocorre sobre os inocentes, que, por estarem no local errado e na hora errada, são vítimas colaterais dessa ação. Cenas divulgadas por alguns grupos, ameaçando de morte pessoas sequestradas e exigindo resgate, como se tem visto cotidianamente no Oriente Médio, são lastimáveis em todo e qualquer contexto, em uma banalização do mal, despida de qualquer outra justificativa. É o horror do real.


FIM

(Luís Alexandre Carta Winter e Eduardo Biacchi Gomes, http://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/conteudo.phtml?tl=1&id=1529665&tit=O-terrorismo-e-os-inocentes)



redação sobre terrorismo, ONU, ordem moral, efeitos psicológicos, ditadura, motivações ideológicas, redação dissertativa sobre tratados e convenções internacionais, ação terrorista, guerra ao terror, leis de guerra, redação pronta sobre guerra civil, leis internacionais, prisioneiro de guerra, financiamento do terrorismo, lavagem de dinheiro, redação dissertativa pronta sobre combate ao terrorismo, banalização do mal