Faça este curso, porque você precisa aprovar em seu próximo exame, concurso ou vestibular.

Reação em cadeia

São Paulo, Minas e Rio de Janeiro, os três maiores fluxos de bens e serviços do Brasil, acusam desalentadora falta de água. No país dos recursos hídricos a locomotiva econômica emperrou. São Paulo, uma cidade global, já pensa em cinco dias de racionamento de água por semana.

Com menos água, diminui a produção de energia, estabelecendo-se a cadeia do abalroamento. Altas temperaturas evaporam ainda mais água dos solos e plantas, com reflexos diretos sobre agricultura, indústria, comércio e serviços. Quadro visibilizado por torneiras secas, mas de moldura muito mais abrangente. Quando se mexe na sanga, interfere-se no mar.

Constrangedoramente, como humanos da virtualidade tecnológica, nos assemelhamos aos nossos ancestrais, que tinham por urgência a satisfação das suas necessidades primordiais: água, abrigo e alimento. Seu atendimento dependia essencialmente da natureza. Observando, os animais sabiam onde encontrar fontes e córregos. Assim como, então, pode faltar tudo, menos água. Indubitavelmente ainda nos mantemos como corpos hídricos movidos a energia solar, inseridos na cadeia da fotossíntese.

Quando definham gigantes como os reservatórios da Cantareira e de Paraibuna, a sequência natural dos eventos tende à aceleração incontrolada, uma vez que não são meramente os depósitos em si que secam, mas revelam as condições das suas bacias hidrográficas.

Se sabe que o leito de um rio ou o armazenamento de água não dependem exclusivamente de chuvas, que por sua vez resultam de uma série de fatores concatenados. Quando as florestas viram campos, lavouras e cinza, quando o petróleo que levou milhões de anos para se formar no subsolo é jogado em poucas décadas para a atmosfera, quando as concentrações urbanas modificam as densidades da superfície terrestre e impermeabilizam os terrenos e, quando imensas massas de água derretidas das geleiras se misturam a correntes marinhas; quando a tudo isso se somar as pequenas inconformidades quotidianas de cada um de nós, precisamos perguntar: “Até quando?”.


FIM

(JOSÉ ALBERTO WENZEL, http://wp.clicrbs.com.br/opiniaozh/?topo=13,1,1,,,13)



redação sobre falta de água, recursos hídricos, produção de energia elétrica, redação pronta sobre água, torneiras secas, fontes, córregos, corpos hídricos, redação dissertativa sobre racionamento de água, necessidades primordiais, reservatório da Cantareira, redação dissertativa pronta sobre armazenamento de água, chuvas, florestas, reservatório de Paraibuna, redação sobre bacias hidrográficas, lavoura, petróleo, concentrações urbanas, superfície terrestre, redação dissertativa sobre massas de água